Entendendo a Gestão de Riscos

publicado 18/07/2017 15:39, modificado 18/05/2018 15:57

O que é risco?

Quantas coisas certas existem na vida? Benjamin Franklin dizia que existem duas: a morte e que vamos pagar impostos. Tirando estas duas “certezas”, o resto são incertezas. Como, por definição, toda incerteza pode gerar um risco, logo, estamos o tempo todo lidando com riscos, sejam eles positivos ou negativos, ou seja, oportunidades e ameaças. Por que fazemos exercícios físicos? Para aproveitarmos a oportunidade de termos um corpo mais saudável ou para mitigarmos a chance de engordar ou termos problemas cardíacos.

No contexto organizacional, esta regra também se aplica. Para que existem capacitações? Para melhorar a performance dos servidores, visando minimizar ameaças ou maximizar oportunidades. Para que serve um planejamento estratégico? Para avaliar forças, fraquezas, ameaças e  oportunidades, com o intuito de descobrir incertezas (riscos) que podem afetar nossos planos para gerenciá-los de maneira mais adequada e gerar um conjunto de respostas eficientes. Assim, chegamos à conclusão que todas as outras gestões são, na verdade, respostas a riscos.

 

O que é Gestão de Riscos?

É o instrumento de governança que possibilita aos gestores públicos tratar com eficácia as incertezas, bem como as oportunidades a elas associadas, a fim de melhorar a capacidade de gerar valor para os cidadãos e para as demais partes interessadas.

Considerada uma eficaz ferramenta de controle, a gestão de riscos revela-se como instrumento efetivo para a melhoria contínua dos processos de trabalho da Instituição.

O Processo de Gestão de Riscos do nosso regional, apesar de possuir diversas especificidades, foi baseado no processo utilizado pela ISO 31000:2009. Para mais informações e detalhes, favor acessar o nosso Manual.

 

Benefícios da implantação da Gestão de Riscos

  • Redução das surpresas e prejuízos operacionais;
  • Comunicação reforçada entre as unidades;
  • Resposta eficaz a eventos inter-relacionados;
  • Melhoria no planejamento estratégico;
  • Utilização eficaz de recursos;
  • Melhoria da reputação e imagem institucional;
  • Promoção da melhoria contínua;
  • Maior qualidade nos resultados obtidos.