TRT-3 dá posse a juíza proveniente de Mato Grosso

publicado 10/10/2016 15:33, modificado 10/10/2016 18:33
TRT-3 dá posse a juíza proveniente de Mato Grosso (imagem 1)
Foto: Madson Morais

A juíza Samantha da Silva Hassen Borges, oriunda do TRT-23 (MT), tomou posse nesta segunda-feira (10) em vaga disponibilizada para remoção pelo TRT-3. A solenidade ocorreu no Gabinete da Presidência às 17h.

Em breves palavras, o presidente do TRT-3, desembargador Júlio Bernardo do Carmo, elogiou a folha de serviços da magistrada que estava tomando posse, lembrando que a sua carreira como juíza do trabalho iniciou no TRT-17 (ES). O representante do Tribunal mineiro disse aos presentes que "a melhor forma de desempenhar um cargo é amando-o profundamente", que esse amor suaviza a caminhada profissional do magistrado e "torna mais leves os fardos e obstáculos" que ela apresenta. O desembargador também acrescentou que, para tornar mais prazerosa essa trajetória, "contribui o fato de estar no local onde desejamos, no cantinho de nossa escolha".

Por fim, o presidente do TRT-3 manifestou a alegria e a honra em receber a juíza auxiliar proveniente do Tribunal matogrossense, que terá oportunidade de prestar relevantes serviços no nosso Tribunal.

Após a juíza ter lido o seu compromisso de posse, no qual promete cumprir a Constituição, as leis da República e o Regimento Interno do TRT-3, o secretário-geral da Presidência, Douglas Eros Rangel, leu o Termo de Posse, que na sequência foi assinado pelo presidente e pela magistrada agora empossada no TRT mineiro.

Estavam também presentes à cerimônia o 1º vice-presidente do TRT-3, desembargador Ricardo Mohallem; o presidente da Amatra-3, juiz Glauco Rodrigues Becho; além de parentes da juíza que estava tomando posse.

Samantha da Silva Hassen Borges optou por pedir remoção para o TRT-3 com o objetivo de voltar a morar próximo à família. Nascida em São Paulo, a juíza morou em Belo Horizonte desde os 4 anos. Se graduou em direito pela UFMG e fez mestrado na PUC-Minas. Ela também tem duas pós graduações. Saiu da capital mineira há onze anos, quando foi aprovada para cargo de auditora fiscal no Mato Grosso, onde trabalhou cerca de três anos antes de ser aprovada em concurso para juíza do trabalho. (David Landau)

Visualizações: