Justiça do Trabalho economiza com home office e mudança de endereço

publicado 02/03/2021 14:09, modificado 03/03/2021 02:00

A Administração do TRT-MG no biênio 2020/2021 tem trabalhado para reduzir gastos com despesas correntes e, assim, economizar recursos para os cofres públicos.

Uma das principais medidas para alcançar esse objetivo é a transferência das 48 varas do trabalho de Belo Horizonte, que hoje funcionam em prédios alugados na Avenida Augusto de Lima e na Rua Mato Grosso, para um imóvel próprio localizado na Rua Goitacazes. A mudança deve acontecer em julho deste ano e a economia dela resultante vai girar em torno de R$ 1 milhão por mês.

Essa transferência será possível graças à implantação do Processo Judicial Eletrônico, o PJe, em todas as varas do trabalho da capital mineira, o que gerou grande redução de movimento de pessoas nessas unidades. Assim, desde o ano passado, o prédio próprio vem sendo adaptado e estruturado para receber a força de trabalho que será deslocada, composta por magistrados, servidores e terceirizados.

Mais economia

Desde março do ano passado, quando o trabalho remoto começou a vigorar nas unidades do TRT-MG em todo o estado de Minas por causa da pandemia da Covid-19, houve uma redução considerável das despesas correntes da Instituição. Em 2020, a economia em gastos com água, telefone, energia, veículos, combustível, passagens aéreas, entre outras, foi de cerca de R$ 13 milhões. Isso porque o trabalho a distância ocasionou a redução do consumo desses itens.

Além disso, o Tribunal firmou parcerias com outras instituições visando à economia de recursos públicos. Uma delas foi a assinatura de um termo de compartilhamento de imóveis com a Receita Federal do Brasil. A ideia é compartilhar, sempre que houver disponibilidade, prédios próprios de uma instituição em localidade em que outra não os tenha, sem a necessidade de pagamento de aluguel, já que todas pertencem à União.

Outras parcerias foram fechadas com as Polícias Federal e Militar de Minas Gerais, que receberam 24 veículos doados pelo TRT-MG. A instituição ainda doou para a UFMG dezenas de computadores e de impressoras que não eram mais utilizados, além de toneladas de cartolinas que serviriam de capas para processos físicos e que estavam em desuso no arquivo do Tribunal.

Entrevista

WhatsApp_Image_2021_03_02_at_13.42.12_1.jpeg

Na tarde desta terça-feira (2), o presidente do TRT-MG, desembargador José Murilo de Morais, foi entrevistado na Rádio Itatiaia, durante o programa Chamada Geral, do jornalista Eduardo Costa. Durante a entrevista, o presidente destacou as medidas de economia tomadas durante a sua gestão. Ouça a entrevista na íntegra.

 

 

Visualizações: