Audiência sobre caso Brumadinho na 5ª VT de Betim termina sem acordo

publicado 03/06/2019 16:59, modificado 04/06/2019 14:27

copy_of_800px___Familiares_interna.JPG

Familiares das vítimas acompanharam a audiência (Foto: Almir Casagrande)

A audiência de conciliação da Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em face da Vale S.A., por causa do rompimento da barragem em Brumadinho, terminou sem acordo, na tarde desta segunda-feira (3), na 5ª Vara do Trabalho de Betim.

A conciliação já havia sido intentada entre as partes em duas reuniões prévias com a juíza titular da 5ª VT de Betim, Renata Lopes Vale. Na audiência, foi deferido o pedido da Vale S.A. de complementar a prova documental, por 10 dias, quando deverá informar se insiste ou não no pedido de provas periciais já formulado em defesa. Também foi dada vista ao MPT e assistentes por 15 dias.

As partes deverão arrolar suas testemunhas até o dia 17 de junho, devendo fundamentar o objeto da prova pretendida com a testemunha ou trazê-las independentemente de intimação, sob pena de preclusão.

Depois da audiência, os familiares das vítimas pediram para serem recebidos pela juíza, que ouviu depoimentos de várias vítimas emocionadas pedindo por justiça. A juíza Renata Lopes Vale se solidarizou com a dor dos familiares e fez questão de lembrar que, na ação, tem que ser observado o princípio do contraditório e da ampla defesa. Ela assumiu o compromisso de dar celeridade à ação, conforme a própria missão do TRT-MG, que é “Solucionar conflitos decorrentes das relações de trabalho de forma efetiva e célere, contribuindo para a harmonia social”.

A audiência de instrução da Ação Civil Pública foi designada para o dia 19 de agosto, às 14 horas. Já as audiências das ações coletivas dos sindicatos estão marcadas para esta sexta-feira (7), a partir das 9 horas.

Visualizações:

Seção de Imprensa imprensa [arroba] trt3.jus.br