Você está aqui: Início / Notícias / Comunicação / Notícias Institucionais / Corregedor-geral da JT apresenta ata com conclusões da correição no TRT-MG

Corregedor-geral da JT apresenta ata com conclusões da correição no TRT-MG

publicado 31/05/2019 16:10, modificado 03/06/2019 00:28

800px4_2019_0531_CorreicaoTST_Ata_LA.jpg

Foto: Leonardo Andrade

O corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Lelio Bentes, junto com a equipe designada do TST, leu a ata, que representa o final do processo de correição ordinária, nesta sexta-feira (31), na sede do Tribunal, perante desembargadores, juízes e servidores. A conclusão apresentou panorama do trabalho do TRT-MG, junto com resultados e recomendações.

O presidente do TRT-MG, desembargador Marcus Moura, elogiou o espírito democrático dos trabalhos, agradeceu a todos os setores e varas que se empenharam para fornecer todos os dados solicitados com o intuito
de aprimorar a prestação de serviços da instituição, e se comprometeu a implementar tudo o que for possível de imediato, e implementar planos de trabalho para o que não for.

O
ministro Lelio Bentes elogiou a transparência e disponibilidade colaborativa dos trabalhos, espírito que deve prevalecer em correições, e ressaltou que após a divulgação dos resultados passará a acompanhar e assessorar os pontos analisados.

Ele disse ter convicção de que a Justiça do Trabalho é referência e excelência no Judiciário brasileiro, apresentando como prazo médio de solução dos processos em 2 anos e 11 meses, incluindo a tramitação em segundo grau, tempo menor que na Justiça Comum. Porém ressaltou que, mesmo com bons resultados, é necessário que se diminua o prazo de agendamento de audiências, principalmente as de instrução.

O ministro destacou o trabalho realizado no Tribunal
em áreas de proteção aos direitos da infância, principalmente com a capacitação dos professores, e a atenção dada aos programas de trabalho seguro. A conciliação em 2018 apresentou números melhores que a média nacional, 43,7% a 44,7%, mas o número de varas que conciliaram acima da média nacional caiu de 84, em 2017, para 70, em 2018.

O déficit de servidores no Tribunal foi abordado e está entre 30 e 35%, de acordo com cálculo do CSJT, sendo maior no 2º grau. A análise de gênero mostra que o TRT-MG está razoavelmente equilibrado, possuindo entre os servidores 60% de mulheres, que ocupam 64% dos cargos comissionados administrativos. No entanto, elas são minoria entre magistrados, sendo 44% no 1º grau e 33% no 2º grau.

O número de processos no grau em 2018 comparado com 2017 diminuiu, enquanto aumentou os que tramitam no 2º grau. A atenção na utilização de sentenças líquidas como prioridade foi recomendada, pois diminui o prazo médio na execução. O prazo médio entre o ajuizamento e a sentença aumentou de 2017 para 2018, mas ainda é menor que a média dos tribunais do trabalho de grande porte.

O magistrado ainda ressaltou que 62% das varas do trabalho de MG tiveram desempenho no Igest entre as 25% melhores do país, com destaque para VT de Guaxupé, em 10º lugar; VT de São Sebastião do Paraíso, em 12 º lugar; VT de Lavras, em 14º lugar; 2ª VT de Varginha, em 15º lugar; e 1ª VT de Alfenas, em 20º lugar.

Metas judiciárias

No que se refere às metas judiciárias do CSJT, o Tribunal cumpriu satisfatoriamente as metas 4 (Tempo médio de duração do processo no 2º grau), 6 ndice de processos julgados), 7 ndice de processos antigos), 10 ndice de redução do acervo dos maiores litigantes) e 11 ndice de execução). Por outro lado, ficou abaixo dos valores determinados nas metas 5 (Tempo médio de duração do processo), 8 ndice de ações coletivas julgadas) e 9 (Índice de conciliação na fase de conhecimento).

A meta 13 (Índice de Alcance das Metas), que estabelece o índice geral do Tribunal, levando-se em consideração o peso e resultados de todas as metas, mostra que a instituição teve resultado satisfatório de 62 pontos e 80% de efetividade, comprovando boa governança.

Visualizações:

Pesquisar

Pesquisa de notícias.

/ /  
/ /