Você está aqui: Início / Notícias / Comunicação / Notícias Institucionais / Importadas: 2013 a 2014 / II Simpósio Qualidade de Vida no Trabalho: Especialista em gestão de pessoas aborda a importância da inteligência astuciosa no trabalho

II Simpósio Qualidade de Vida no Trabalho: Especialista em gestão de pessoas aborda a importância da inteligência astuciosa no trabalho

publicado 23/10/2014 19:20, modificado 23/10/2014 21:20

No inicio da tarde desta quinta-feira (23), o II Simpósio Qualidade de Vida no Trabalho , dos programas "Servidor em Pauta" e "Agente de Saúde", recebeu a pedagoga especializada em Gestão de Pessoas pela Fundação Getúlio Vargas, Maria Raimunda Mendes da Veiga, que esteve a cargo de uma conferência sobre "Reconhecimento e Crescimento do Trabalho". A especialista, que atualmente é secretária executiva e coordenadora de relações institucionais da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados do Superior Tribunal de Justiça (Enfam/STJ), já foi secretária de gestão de pessoas no STJ e secretária do Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal (CJF).

II Simpósio Qualidade de Vida no Trabalho: Especialista em gestão de pessoas aborda a importância da inteligência astuciosa no trabalho (imagem 1)
Imagem: TV-TRT

A segunda atividade da tarde esteve a cargo do gestor regional do Programa Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho - Trabalho Seguro, desembargador Anemar Amaral, que proferiu uma palestra sobre "Promoção de Saúde no Trabalho e Prevenção de Acidentes no TRT-MG".

O turno da tarde finalizou com a participação de representantes do Projeto Gestão por Competências , Priscila Bárbara Marques Heleno e Henrique Fagundes Carvalho, que abordaram as suas características, e da secretária de gestão de pessoas, Maria Cristina Gonçalves Discacciati, que falou sobre as iniciativas já implementadas e os projetos para o ano que vêm do novo setor, criado este ano a partir da divisão da antiga Diretoria da Secretaria de Coordenação Administrativa. Também presente à mesa, o diretor da Secretaria de Desenvolvimento de Recursos Humanos, André Luiz Morais Mascarenhas, respondeu a perguntas do público em nome da Administração.

Conferência sobre "Reconhecimento e Crescimento no Trabalho"

Maria Raimunda Mendes de Veiga lembrou, na sua apresentação, que o assunto por ela abordado revelou tendência negativa no Inventário de Avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho (IA-QVT), realizado ano passado com servidores do Tribunal.

A secretária executiva da Enfam citou a obra do sociólogo francês Vincent de Gaulejac, que faz uma crítica ao "culto da eficácia" e à "quantofrenia" (idolatria dos números) - constatados em políticas de metas - decorrentes da visão gerencialista que coloca o lucro em primeiro lugar. Dessa mesma fonte, ela resgata a importânca do trabalho como elemento integrador que deve ser realizado coletivamente, inclusive para que a pessoa saia do seu isolamento e se sinta parte de uma realização maior.

Maria Raimunda Mendes de Veiga também se referiu ao psiquiatra e psicanalista Cristophe Dejours, cuja obra aponta que o sofrimento do trabalhador faz com que ele muitas vezes descarte a forma de trabalhar que lhe foi prescrita e seja transgressor na sua prática. Essa ação criativa, em que o trabalhador muda a sua forma de realizar as tarefas, decorre daquilo que é conhecido como "inteligência astuciosa", e pode trazer importantes vantagens para a instituição. Mas isso só se verifica quando a pessoa vê significado e importância no seu trabalho. Além disso, no reforço ou na inibição desse caráter transgressor da criação, atua significativamente o reconhecimento ou não do superior hierárquico e dos pares (ou seja, aqueles que estão no mesmo nível hierárquico).

Outro autor francês citado pela especialista, o sociólogo Philippe Zarifian, aborda a idéia de "comunicação autêntica", em que o trabalho é debatido, propiciando que o sujeito se reconheça nele. De acordo com essa elaboração, o espaço prioritário para esse tipo de "comunicação autêntica" tem que se dar no local de trabalho. Dessa forma, se combateria o dualismo que existe entre quem "concebe" a tarefa e quem a "executa".

Para a pedagoga Maria Raimunda Mendes de Veiga, o desanimo também é decorrente da questão financeira, primeira forma de valorização que o servidor percebe, mas é necessário dar atenção a todos os elementos que influem no reconhecimento.

Palestra sobre "Promoção de Saúde no Trabalho e Prevenção de Acidente no TRT-MG"

O desembargador Anemar Amaral mostrou-se preocupado com o elevado custo humano do índice de acidentes de trabalho constatado no Brasil. Quarto país do mundo em incidência desse tipo de problema, o Brasil registra cerca de 3 mil óbitos por ano, ou um a cada três horas, oriundos dessa causa. Números apresentados pelo desembargador apontam mais de 733 mil acidentes de trabalho no país em 2009, e mais de 705 mil em 2012. Esses dados contemplam apenas incidentes que geraram a emissão de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) para a Previdência Social; portanto, não consideram situações geradas no serviço público, entre militares, no serviço de transporte em motos (motoboys), em trabalho informal e doméstico.

No serviço público, não há dados gerais consolidados, mas o TRT-MG, em 2013, registrou 2.222 dias de afastamento entre os magistrados e 37.519 entre os servidores. Desses afastamentos, entre os servidores, 30,2% são decorrentes de problemas mentais e 19,1% de doenças osteomusculares, entre os magistrados, esses dados correspondem, respectivamente, a 29,3% e 11,7%.

Segundo o magistrado, o trabalho no TRT requer habilidades tanto cognitivas quanto físicas. Para que essas exigências não se traduzam em adoecimento, o gerente do Programa Trabalho Seguro enfatizou a preocupação que servidores devem ter com postura e com o respeito às pausas recomendadas durante a jornada de trabalho.

O desembargador Anemar Amaral lembrou que as normas de prevenção presentes na legislação são oriundas de estudos realizados por especialistas, e que por isso devem ser cumpridas pelo trabalhador. Além disso, também defendeu que sempre alguém tenha o papel de exigir esse cumprimento. Segundo ele, a proteção no ambiente de trabalho, quando existe, não se dá porque o empregador é bonzinho, mas por obrigação legal que obriga o empresário a exigir e o trabalhador a cumprir.

Parafraseando o desembargador Sebastião Oliveira, também do TRT-MG, o magistrado palestrante defendeu a idéia de que quase todo acidente pode ser evitado.

Como conselho ao público, o desembargador Anemar Amaral resgatou a importância de se dar atenção ao tempo que dedicamos para nós mesmos. (David Landau)

Visualizações:

Pesquisar

Pesquisa de notícias.

/ /  
/ /