Presidente, 2ª vice-Presidente, Corregedora e vice-Corregedor do TRT-MG cumprem agenda de compromissos em Brasília

publicado 29/08/2014 16:14, modificado 29/08/2014 19:14

A presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, desembargadora Maria Laura Franco Lima de Faria, e os desembargadores Denise Alves Horta, e Luiz Ronan Neves Koury, corregedor e vice-corregedor, respectivamente, estiveram em Brasília nos dias 26 e 27 para participar da quarta reunião ordinária do Coleprecor - Colégio de Presidentes e Corregedores dos tribunais regionais do trabalho.

Ainda em Brasília, a Presidente Maria Laura Franco Lima de Faria, a 2ª vice-Presidente, desembargadora Emíla Facchini; e o vice-Corregedor Ronan Koury prestigiaram a posse da nova corregedora nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A cerimônia aconteceu no dia 26, no salão de recepções do STJ, e foi conduzida pelo presidente em exercício do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski. Durante a solenidade, a nova Corregedora Nacional assegurou em sua manifestação que a valorização da Magistratura de primeiro grau será sua prioridade para os próximos dois anos.

Reune JT

Os desembargadores do TRT-MG participaram também da Reunião Nacional da Estratégia da Justiça do Trabalho (ReuneJT), realizada no dia 26. O evento, organizado pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), reuniu gestores da área de planejamento estratégico dos Tribunais Regionais do Trabalho (TRTs) de todo o país, com o objetivo de definir a proposta de planejamento estratégico da Justiça do Trabalho para o período de 2015 a 2020.

Posse no CNJ

Ao tomar posse em Brasília, a nova corregedora nacional de Justiça, ministra Nancy Andrighi, do STJ, ao assegurar a prioridade da valorização da Magistratura de primeiro grau, disse que esses magistrados "são a mola propulsora de toda jurisdição. É justo homenagear e enfatizar o trabalho solitário, corajoso e criativo dos juízes de primeiro grau de jurisdição. De todos os juízes que integram a jurisdição brasileira, é ele quem recebe pela primeira vez o cidadão aflito e acena-lhe com a esperança de justiça. É para o juiz de primeiro grau, portanto, o mais dedicado e atencioso olhar da corregedoria. À valorização do primeiro grau de jurisdição, meta do CNJ, serei obediente", ressaltou. (Fontes: CNJ, Ascom/CSJT e Coleprecor)

Visualizações: