Presidente entrega diplomas e diz que URV deve ser paga até fevereiro

publicado 17/12/2010 18:00, modificado 17/12/2010 20:00

Em solenidade realizada nesta sexta, 17 de dezembro, no auditório do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, em Belo Horizonte, o presidente do TRT, Eduardo Augusto Lobato, entregou o diploma de conclusão do Curso de Técnicas Avançadas de Segurança Privada aos agentes de segurança da Instituição.

Presidente entrega diplomas e diz que URV deve ser paga até fevereiro (imagem 1)

O curso, de 30 horas-aula, que foi realizado de 22 a 24 de outubro do corrente ano, contemplou instruções sobre técnicas de imobilização e condução, desarme com arma de fogo, torções nas articulações, uso de algemas e de abordagem em técnicas e procedimentos operacionais com armamentos. Os participantes receberam ainda ensinamentos sobre o uso escalonado da força, nível letal dos armamentos, controle emocional e efeitos psicológicos do estresse, além de estudos sobre o histórico da violência, do perfil e das ações dos criminosos no Brasil, bem como das legislações geral e específica de segurança. O objetivo do treinamento é garantir a integridade física dos magistrados, servidores e usuários da Justiça do Trabalho, bem como do seu acervo material.

Para Eduardo Lobato, a segurança é de extrema importância para qualquer instituição, seja ela pública ou privada, e o maior patrimônio do TRT são os magistrados e servidores. É responsabilidade do Tribunal garantir, em suas dependências, a integridade de todos: procuradores do trabalho, advogados, peritos, partes e visitantes, e não podemos esquecer que lidamos com partes em conflito , observou Lobato.

As ações que vêm sendo implementadas foram precedidas de um diagnóstico da situação de segurança existente, do dimensionamento de como deve ser e dos estudos de qual caminho há de ser seguido. E, segundo Eduardo Lobato, o investimento na capacitação dos agentes de segurança do Tribunal adveio da constatação de que são gabaritados e estão muito motivados para desenvolver bem as suas atribuições. É melhor trabalhar com quem entrou na casa pela porta estreita do concurso público, tem boa remuneração e está com muita disposição para se profissionalizar efetivamente , salientou. Ante esse reconhecimento, um dos agentes, ao receber o diploma, chegou a afirmar que a segurança do Tribunal foi retirada do fundo do poço .

Presidente entrega diplomas e diz que URV deve ser paga até fevereiro (imagem 2)
Pagamento da URV

O presidente aproveitou a oportunidade para informar que já solicitou abertura de licitação para aquisição de coletes a prova de bala, de espécies diversas de armas e de outros equipamentos de segurança, para dar mais visibilidade ao agente e assim inibir qualquer ação censurável. Acrescentou que tem em mente dar à Assessoria de Apoio Externo e Institucional da Presidência uma dimensão de diretoria ou secretaria, para cuidar da segurança armada privada, que vai trabalhar juntamente com os agentes de segurança dos quadros do Tribunal. O dirigente disse que pretende instalar uma central de atendimento em cada prédio da capital, com equipamento detector de metais e aparelhos de raio-x, nos moldes dos existentes nos aeroportos, para identificar, com rapidez, as pessoas que vão entrar nesses prédios. Afirmou também que estão em fase de conclusão as providências para efetivar as brigadas de incêndio e que dará seqüência à capacitação profissional dos agentes, inclusive para utilizarem armas de fogo e lembrou que, graças ao trabalho dos agentes, os recentes eventos de maior vulto do TRT foram realizados com extrema tranqüilidade, como no 1º Encontro de Juízes do Trabalho do Foro de Belo Horizonte, na entrega da Comenda Ari Rocha e no Seminário sobre Processo eletrônico de Caxambu. Por fim, o presidente afirmou que a segunda parcela das diferenças da URV deverá ser paga até o dia 15 de fevereiro do próximo ano.

O coronel da PM, Paulo Márcio Diniz, assessor de apoio externo e institucional da presidência do TRT, falou da importância de se dar continuidade ao trabalho de sua assessoria sem queimar etapas, de forma a concluir bem um trabalho que possa servir de exemplo para os outros tribunais. Sobre a pertinência do curso de vigilância armada, asseverou que todos devem estar preparados para enfrentar as adversidades e cumprir bem o seu papel de proteger patrimônio material e vidas, principalmente. E foi exatamente o que disseram os diplomados Waldir Leite da Silva e Cristovam Correa Neto. Para Waldir, o curso foi proveitoso para aperfeiçoar o desempenho da função, em especial ao mostrar a relevância do trabalho em equipe, e Cristovam disse ter ficado sabendo no curso, por exemplo, que nos porta-malas de carros fabricados a partir do ano 2004 há um dispositivo para ser acionado de dentro para abrir o compartimento, e que aprendeu como se posicionar nesse compartimento do veículo para não ser alvejado nem se machucar em possíveis trocas de tiros.

É, de fato isso mostra que o curso tem serventia também para o nosso cotidiano fora do ambiente de trabalho, de inegável violência. (Fotos: Madson Morais/texto: Walter Sales)

Visualizações: