3ª Oficina Gedel inclui palestra sobre direito processual eletrônico

publicado 20/11/2017 14:53, modificado 21/10/2018 10:55

720x500interna2017_1117PalestraDireitoProcessualEletrnicoeseusPrincpios_MM66Cpia.jpg
Foto: Madson Morais

Dando sequência às duas oficinas anteriores, foi realizada a 3ª Oficina do Grupo de Estudos sobre Justiça e Direito Eletrônicos (Gedel): Democracia e Direito no contexto do Big Data, da Inteligência Artificial e da Linguagem Maquinal, no plenário do TRT-MG, na última sexta-feira (17).    

O evento é uma parceria entre o Gedel, Escola Judicial do TRT-MG e Programa de Apoio às Relações de Trabalho e à Administração da Justiça (Prunart) da UFMG, que é coordenado pelo juiz da JT de Minas e professor, Antônio Gomes de Vasconcelos. 

Desta vez, a oficina incluiu também uma palestra como atividade complementar da formação da Escola Judicial, sobre direito processual eletrônico e seus princípios, ministrada pelo desembargador José Eduardo de Resende Chaves Júnior. Além dele, atuou como formador o professor associado da UFMG e doutor pela Universidade de Paris VI, Osvaldo Carvalho, que expôs sobre o tema InfoSAS: Mineração para detecção de anomalias nos dados do SUS.   

Na palestra introdutória, o desembargador José Eduardo fez questão de firmar um pressuposto, derrubando um paradigma que ainda está arraigado em nossas mentes. Segundo frisou, não se pode trabalhar com a ideia de que existe oposição entre tecnologia e o homem. “É errada a ideia de que tudo o que é tecnológico não é humano. O que nos diferencia no mundo, como humanos, é a tecnologia. Eu diria mesmo que a dignidade humana é tão imanente ao homem como a tecnologia. Então, a primeira coisa a quebrar é isso: a relação entre a tecnologia e o homem é uma relação de imanência, não de transcendência e nem de oposição”, pontuou, ao iniciar sua exposição. 

Em seguida, o servidor Edré Quintão Moreira, mestre e doutorando em Ciência da Computação pela UFMG, falou sobre o tema Mineração de Dados e Algoritmos através de Exemplos. Na sequência, foi a vez do também servidor do Tribunal, Rômulo Soares Valentini, mestre e doutorando em Direito pela UFMG, que ao fazer sua exposição uma provocação, em que levanta essa intrincada questão: Um computador é capaz de encontrar a única resposta correta para julgar um caso concreto? E você?  

O conteúdo completo de cada uma das palestras você confere no Notícias Jurídicas Especial sobre a 3ª Oficina Gedel, a partir da próxima segunda-feira, 27 de novembro. Aguarde e acesse!

Visualizações: