Iniciado o Curso de Formação de Formadores em Gestão Estratégica

publicado 18/05/2012 06:04, modificado 18/05/2012 09:04

A Escola Judicial do TRT-MG deu início nessa quinta-feira, 17, na sua sede, em Belo Horizonte, ao "Curso de Formação de Formadores em Gestão Estratégica" com o objetivo de capacitar os magistrados representantes da Escola Judicial nas diversas Unidades Regionais de Gestão (Urges) para atuarem como formadores em suas regiões no 3º encontro do Sistema Integrado de Gestão Judiciária e de Participação da Primeira Instância na Administração do TRT da 3ª Região (SINGESPA ).

Neste primeiro dia, a consultora pedagógica Acácia Kuenze fez uma exposição do Projeto Pedagógico da Escola Judicial. Ela falou dos princípios pedagógicos da formação profissional de magistrados, bem como do conceito de ensino e aprendizagem a ele subjacentes. Também apontou as mudanças no mundo do trabalho dos anos 80 para cá, e procurou ensinar um roteiro pragmático para se dar uma boa aula.

Acácia ressaltou ser preciso refletir sobre qual tipo de profissionais precisamos formar, observando o mundo do trabalho. E ensinou que ninguém educa a pessoa para ela ficar como está, mas sim para que ocorra uma transformação. Isso quer dizer que o projeto pedagógico tem intencionalidade. De acordo com ela, é preciso saber qual projeto de Justiça do Trabalho é capaz de gerar ânimo, motivação, e, a partir da resposta, é que deve-se organizar a aula. "Não se trata de impor o pensamento, mas é fundamental que, de forma transparente, o aluno veja de onde eu falo", ponderou ela.

Questionada se não seria muita pretensão eleger modelos de magistrado e servidor, a educadora esclareceu que "na verdade, sempre em educação você trabalha com perspectivas em contradição. Não há um único projeto de sociedade. O projeto depende do ponto de vista que você assume. A Escola Judicial, hoje, tem a compreensão de que o juiz é um servidor do público, cuja missão é mediar os conflitos entre capital e trabalho. Para isso, investe em um processo de capacitação que desenvolva a capacidade de análise crítica e de criatividade a partir da análise do contexto, da doutrina e da jurisprudência em busca da construção do Estado Democrático de Direito".

Segundo Acácia Kuenze, o propósito capitalista, hoje, é de intensificação do trabalho, em condições cada vez mais precárias. Ela alertou, com muita ênfase, que "os gestores têm que estar atentos em relação a isso".

Acácia fez uma comparação nos campos político, econômico, do trabalho e do aprendizado entre os modelos Taylorismo/Fordismo e Toyotismo, este marcado pela base microeletrônica, que, diversamente do primeiro modelo, exige um trabalhador capaz de enfrentar eventos, com desenvolvimento de competências cognitivas e formação teórica.

E deu muitas informações sobre como preparar uma boa aula e sobre o que fazer para que os alunos se interessem por ela. Ensinou, por exemplo, que o professor deve sempre estabelecer uma ponte entre o novo e o conhecimento já existente; a começar do simples para o complexo; a relacionar a parte à totalidade, a teoria à prática.O curso prossegue amanhã, a partir das 9h, com o painel "Gestão Estratégica e Gestão de Pessoas na Instituição pública", com os formadores Mauro César da Silveira e Fernanda de Siqueira Neves. (Walter Sales - Foto: Madson Morais)

Iniciado o Curso de Formação de Formadores em Gestão Estratégica (imagem 1)

Visualizações: