Ministro Reis de Paula é agraciado com Medalha do Dia do Estado de Minas Gerais

publicado 16/07/2012 14:47, modificado 16/07/2012 17:47

O ministro Carlos Alberto Reis de Paula, do Tribunal Superior do Trabalho, foi agraciado nesta segunda-feira (16), em Mariana - MG, com a Medalha do Dia do Estado de Minas Gerais , durante a cerimônia do Dia de Minas. Como acontece todos os anos, desde 1945, Mariana, na Região Central, é homenageada, em seu aniversário de fundação, com a transferência simbólica da capital do Estado para a cidade, que é o primeiro município e primeira capital de Minas Gerais. Prestigiaram o evento a desembargadora Maria Laura Franco Lima de Faria, que atua como convocada no TST, representando a presidente do TRT-MG, desembargadora Deoclecia Amorelli Dias, e o desembargador Rogério Valle Ferreira.

O evento foi aberto com missa solene na Igreja de Nossa Senhora do Carmo, pelo arcebispo Metropolitano de Mariana, Dom Geraldo Lyrio Rocha. À tarde, em cerimônia presidida pelo governador Antônio Anastasia, foi entregue a Medalha do Dia do Estado de Minas Gerais a 50 personalidades e instituições que contribuíram para o desenvolvimento do Estado. Em seu pronunciamento, o governador destacou o ministro Carlos Alberto Reis de Paula, "futuro presidente do TST e grande representante de Minas, que tem a mineiridade em suas origens".

Ministro Reis de Paula é agraciado com Medalha do Dia do Estado de Minas Gerais (imagem 1)
Foto: www.agênciaminas.mg.gov.br

Orador do evento, Reis de Paula reverenciou a cidade de Mariana, primeira cidade de Minas, primeira capital das Gerais e sede do primeiro bispado no estado. "Têm essa cidade e seu povo muitas coisas a contar, consagrada com o dispositivo da Constituição do Estado de Minas Gerais de 1989 pelo qual é reconhecida como fato fundante da história de nosso Estado e se transfere simbolicamente a capital de Belo Horizonte para essa terra que hoje pisamos e reverenciamos."

"Minas tem um longo caminho a percorrer", refletiu o ministro, lembrando que "a história mostra sempre que para a estabilidade de nossas instituições e para o correto desenvolvimento de nossa nação, somos indispensáveis, como fiel da balança de um país de contrastes, que só se mantém unido como nação pelo respeito às diversidades regionais e pela riqueza oriunda das singularidades de cada um".

Reis de Paula destacou a valorização do trabalho humano e a livre iniciativa como os dois pilares nos quais se assenta a ordem econômica, na perspectiva da Constituição de 1988: "São irmãos siameses, um não pode sobreviver sem o outro. O trabalho há de ser visto como uma forma de realização da pessoa humana e uma fonte de vida digna para si e sua família. O trabalho deve ser seguro, e longe de ser análogo à escravidão ou, absurdo dos absurdos, haver a exploração de crianças pelo e no trabalho". E completou: "De outra sorte, a livre iniciativa, em que sempre se corre risco, há de ter o seu devido retorno, e protegidos os seus direitos, que não são absolutos, pelo fim social que lhe é inerente."

Refletiu ainda o ministro em seu discurso, que "nessa ótica de desafio a nós, mineiros, em momento de rigorosa transição, é que devemos enxergar os dias de hoje, para que preservemos os valores típicos da mineiridade,que podemos sintetizar em respeito às tradições em conjugação com a luta pela liberdade. Em que se cultiva a tolerância, a moderação, a competência, a firmeza e a habilidade para se construir uma composição federativa na qual a União e os Estados são parceiros que se compõem para melhor servir o cidadão nas áreas econômica, social, financeira e política, tudo dentro de um planejamento estratégico fundamental. Esse encontro do passado e do presente só pode ser determinante de dias futuros em que esses valores sejam consagrados."

Visualizações: