Você está aqui: Início / Notícias / Comunicação / Notícias Jurídicas / Turma decide pela impossibilidade de concessão automática de progressão funcional sem avaliação de desempenho do servidor

Turma decide pela impossibilidade de concessão automática de progressão funcional sem avaliação de desempenho do servidor

publicado 21/02/2018 00:00, modificado 19/02/2018 23:11
Selo Tema Relevante

A 3ª Turma do TRT de Minas, em voto da relatoria do desembargador Milton Vasques Thibau de Almeida, julgando favoravelmente um recurso apresentado pelo Município de São Lourenço-MG, modificou decisão que determinou a concessão automática da promoção por merecimento de um empregado, excluindo da condenação o pagamento de diferenças salariais relativas à progressão salarial e reflexos.

Para o relator, a promoção por merecimento não pode ser concedida de forma automática. Conforme ressaltou, a Lei Municipal que instituiu o sistema de carreiras, benefícios e vantagens dos servidores condicionou a progressão funcional, expressamente, à avaliação de desempenho do servidor, a ser realizada pela Comissão Permanente de Avaliação Funcional.

Assim, no seu entender, caso não formada essa comissão para se proceder à avaliação de desempenho não se pode considerar preenchidas as condições exigidas para a progressão pretendida. “A avaliação profissional dos empregados aptos a concorrer ao procedimento de progressão é de caráter subjetivo e comparativo, de modo que as promoções por merecimento estão condicionadas aos critérios estabelecidos pelas normas que o instituíram, cuja análise está exclusivamente a cargo do empregador, o que torna a avaliação de desempenho um requisito indispensável para sua concessão” , destacou, acrescentando que eventual omissão do empregador em realizar as avaliações não tem o condão de atrair a aplicação subsidiária do artigo 129 do Código Civil de 2002 para autorizar a concessão da promoção. Nesse sentido, o julgador invocou a Tese Prevalecente nº 7 do TRT de Minas, que trata de situação análoga.

Por essas razões, o relator excluiu da condenação o pagamento de diferenças salariais relativas à progressão salarial e os reflexos respectivos, bem como a obrigação de inclusão das progressões na folha de pagamento e a multa imposta pelo descumprimento da obrigação de fazer. O entendimento foi acompanhado pelos demais julgadores da Turma.

  • PJe: 0010046-84.2017.5.03.0053 (RO) — Acórdão em 30/10/2017

Acesse o processo do PJe digitando o número acima .

Visualizações:

Pesquisar

Pesquisa de notícias.

/ /  
/ /