Você está aqui: Início / Notícias / Comunicação / Notícias Jurídicas / Importadas: 2006 a 2008 / Diferença de dois anos não se aplica quando quem pede equiparação exerce função há mais tempo que paradigma

Diferença de dois anos não se aplica quando quem pede equiparação exerce função há mais tempo que paradigma

publicado 16/11/2007 03:14, modificado 28/03/2017 12:16
Selo Tema Relevante

A exigência expressa no artigo 461 da CLT de que, para efeito de equiparação salarial, a diferença de tempo na função entre paradigma e reclamante não seja superior a dois anos é restrita aos casos em que o modelo ocupa a função há mais tempo que aquele que pleiteia a equiparação salarial. Não se aplica, portanto, aos casos em que o reclamante, embora há mais tempo na função, recebe salário menor que o do paradigma.

Esse é o entendimento expresso em decisão da 3ª Turma do TRT-MG ao dar provimento a recurso ordinário de uma ex-bancária que, embora contasse com mais tempo de experiência na função, recebia salário menor que o do paradigma. “ Portanto, a diferença de tempo de serviço superior a dois anos, na situação dos autos, não obsta o reconhecimento da equiparação salarial, mas, ao contrário, reforça o direito da reclamante às diferenças salariais ”- conclui o relator do recurso, desembargador César Pereira da Silva Machado Júnior.

Os depoimentos das testemunhas, inclusive do próprio reclamado, confirmaram que as empregadas exerciam a mesma função no banco (caixa), sendo que a reclamante ocupava esse posto desde 1998, ao passo que o paradigma só veio a exercer a atividade a partir de 2001. Ou seja, havia diferença de tempo de serviço superior a dois anos, mas a favor da reclamante, e não do paradigma. Ficou comprovado, inclusive que a própria reclamante ensinou à paradigma o serviço. Por isto, a Turma deferiu à autora as diferenças salariais relativas ao período pleiteado, com devidos reflexos.

Visualizações:

Pesquisar

Pesquisa de notícias.

/ /  
/ /