Você está aqui: Início / Notícias / Comunicação / Notícias Jurídicas / Importadas: 2013 a 2014 / Empresa terá que indenizar trabalhador que teve capacete furtado no local de trabalho

Empresa terá que indenizar trabalhador que teve capacete furtado no local de trabalho

publicado 27/08/2014 03:05, modificado 27/08/2014 06:05
Selo Tema Relevante

A empregadora deve disponibilizar local próprio nas suas dependências para o trabalhador guardar seus pertences com segurança. Caso contrário, terá de pagar indenização se algum bem do empregado for furtado, pois cabe ao empregador assumir os riscos do empreendimento. Foi esse o entendimento manifestado pela 3ª Turma do TRT-MG ao julgar o caso de um empregado que teve o capacete furtado dentro da empresa.

O reclamante alegou que fazia o percurso casa-trabalho em sua moto e sempre chegava à empresa carregando o seu capacete. Disse que a ré disponibilizava um vestiário para a troca de roupa dos funcionários e os pertences de todos ficavam lá. Mas, como o capacete dele não cabia dentro do armário, acabou sendo furtado. Por isso, pediu indenização.

O juízo sentenciante deu razão ao empregado, entendimento que foi mantido pela relatora do recurso da empresa, desembargadora Taísa Maria Macena de Lima. Isto porque, uma testemunha ouvida no processo confirmou que o armário era pequeno e não cabia o capacete. Disse ainda que estava presente quando o empregado, ao retornar do trabalho para o vestiário, não encontrou o capacete no local em que o havia colocado. A relatora valorizou esse depoimento, considerado convincente pelo julgador de origem, o qual, segundo a desembargadora, tem melhor condição de avaliar a credibilidade das declarações prestadas em audiência.

"Ficou, assim, satisfatoriamente comprovado que o reclamante teve seu capacete furtado dentro do vestiário da empresa e que tal fato não teria ocorrido se a reclamada tivesse disponibilizado recinto próprio nas suas dependências para acomodação dos pertences do trabalhador, principalmente aqueles, como o capacete, de uso necessário para viabilizar a prestação de serviços em benefício da empresa", registrou a relatora, mantendo a condenação da empresa a pagar o valor equivalente ao capacete furtato, no que foi acompanhada pela Turma julgadora.

________________________________________________________________________________ Nesta quinta, no projeto LEIS&LETRAS: Assista ao filme "Getúlio" e participe do debate com o roteirista George Moura e o jornalista Carlos Marcelo Carvalho (editor-chefe do Estado de Minas) Dia 28/08/2014, às 17h, no auditório do TRT-MG (Avenida Getúlio Vargas, 225, 10º andar) Evento aberto ao público. Promoção: Escola Judicial TRT-MG e Biblioteca Juiz Cândido Gomes de Freitas. Inscrições até 28 de agosto de 2014, às 12h. Preencha o formulário no site da Escola Judicial. ________________________________________________________________________________

Visualizações:

Pesquisar

Pesquisa de notícias.

/ /  
/ /